Demissão Justa Causa

             É de suma importância deixar claro que o trabalhador pode discordar da demissão por justa causa. Logo, pode buscar a Justiça do Trabalho, para receber todas as verbas trabalhistas, inclusive, horas extras e adicionais não quitados e, ainda, eventual indenização por dano moral. Também devemos lembrar que, em inúmeros casos, a Justiça do Trabalho "anula" a demissão por justa causa, concedendo ao trabalhador todos os direitos pertinentes. Entende-se que, o empregador tem que, obrigatoriamente, possuir provas concretas, para demitir o empregado por justa causa. Isso porque, a jurisprudência entende que o dever de provar as alegações não é do trabalhador e, sim, do empregador. À título de exemplo, se o empregador demite por justa causa, alegando furto, deverá comprovar que o trabalhador cometeu o furto, não sendo obrigação do empregado provar que não furtou. Da mesma forma, ocorre com o empregado demitido por alegação de desídia, indisciplina, insubordinação etc. Em quaisquer destes casos, a prova deve ser feita pelo empregador. Por fim, o empregado, obtendo êxito na reclamação trabalhista, terá direito às verbas rescisórias, ao levantamento dos valores de FGTS, bem como o seguro-desemprego.

             Portanto, você trabalhador que foi demitido, entre em contato conosco, faça uma consulta que nossos advogados especialistas em Demissões por Justa Causa analisarão minunciosamente seu caso e o orientarão da melhor maneira possível, garantindo assim os seus direitos e evitando abusos.

             Não deixe seu direito ser lesado, procure imediatamente nossos advogados especialistas em demissões por justa causa que, por meio de uma ação na Justiça do Trabalho, defenderemos e restabeleceremos o seus direitos.